segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Resenha #07 - Private, Agência internacional de investigações

Título: Private, Agência internacional de investigações
Autor: James Patterson e Maxine Paetro
Editora: Arqueiro
Gênero: Suspense policial
Número de páginas: 224
Ano: 2012
Avaliação:
Sinopse: Jack Morgan é dono da Private, a melhor agência de investigações que existe, com escritórios em vários cantos do planeta. É a ele que os homens e as mulheres mais influentes do mundo recorrem quando precisam de total eficiência e máxima discrição. A agência é o único recurso quando a polícia não pode fazer mais nada.
Enquanto Jack e sua equipe investigam o assassinato de 13 garotas, surgem dois outros casos, bem mais pessoais. Fred, tio de Jack, procura-o pedindo ajuda com um escândalo financeiro que pode destruir a liga profissional de futebol americano. E a esposa do melhor amigo de Jack, Andy Cushman, é encontrada morta.
Com a Private, nenhum caso fica sem solução.
Os três mistérios parecem insolúveis, mas Jack conta com os melhores investigadores e com o que há de mais avançado em tecnologia – recursos que, muitas vezes, não estão à disposição da polícia. Além disso, a agência não responde a instituições oficiais, portanto, nem sempre precisa jogar de acordo com as regras.

A Private é uma agência internacional de investigações que acaba de ser reativada por Jack Morgan, um ex veterano de guerra, inteligente e muito charmoso. Apesar de ser perturbado por seu passado na guerra ele se mantém firme à frente da melhor e mais bem paga equipe de detetives e profissionais do ramo. Com os 15 milhões de reais que ele recebeu da herança do pai o jovem promissor equipou as instalações da Private com tudo que há de melhor em tecnologia e conta com equipamentos de ponta para caçar assassinos e auxiliar celebridades de Los Angeles e de todo o mundo com seus problemas que não podem ser levados à polícia e necessitam de máxima confidencialidade. 

A trama do livro acompanha três casos distintos: O assassino das colegiais, Uma fraude nos resultados dos jogos de futebol americano e o assassinato de Shelby Cushman. Esse último é bem pessoal para Jack pelo fato de a vítima ser uma amiga sua, e ele não poupará esforços para solucionar. O segundo é um caso trazido por seu tio Frank e se comprovado poderá se tornar um grande escândalo. Já o primeiro será liderado por Justine, uma detetive dedicada que não irá descansar enquanto não colocar atrás das grades esse Serial-Killer que anda assombrando as colegiais de Los Angeles e já fez 13 vítimas.
" Aquele agradecimento dava uma sensação muito boa. Qualquer que seja a substância química liberada pelo cérebro em decorrência desse momento, ela fazia meu corpo inteiro se sentir satisfeito. Dinheiro nenhum pagava a sensação inebriante de levar o lixo para fora e vê-lo ir embora, sabendo que não voltará." pág. 193 (Jack se refere ao solucionamento do caso).
A narrativa é constantemente revesada entre primeira e terceira pessoa e pode confundir um pouco o leitor no início do livro. Mas com o passar das páginas você se acostuma e passa a gostar desse estilo pela visão mais ampla que ele proporciona. 

Um ponto que eu não consegui decidir se é bom ou ruim nessa narrativa foi a participação do assassino. Por um lado foi interessante conhecê-lo e saber tudo que se passava na sua rotina e em seus pensamentos. Mas por outro, acabou com todo o suspense e tornou a trama um pouco mais "fria", digamos assim... 

A escrita do autor é daquele tipo que te prende na leitura, os capítulos mega curtinhos de no máximo 5 ou 6 páginas em média, faz a leitura fluir rapidamente e também proporciona intervalos bacanas para se esticar, tomar uma água ou fazer uma pequena pausa sem se perder na leitura. Os personagens são bem construídos e se expressam de forma bastante clara, é possível conhecê-los de forma ampla logo nas primeiras aparições, e se identificar com eles é ainda mais fácil.

Minha personagem favorita é Justine, ela pode ser considerada quase que uma protagonista por ser tão participativa, e o empenho dela em solucionar o caso do qual é responsável é impressionante. Ela é muito competente no que faz e consegue se destacar por isso. 

Esse livro é basicamente um suspense policial mas um pouco de romance também se faz presente, e algumas cenas mais quentes dão uma apimentada na trama, porém nada detalhado ok! Apesar de nenhuma relação entre os personagens ser mais aprofundada durante a trama, é possível ver prováveis casais e torcer por eles ;)

A resolução dos casos é trabalhosa para os personagens do livro, mas como ele é curtinho (com suas 207 páginas) para o leitor é como se fosse tudo muito simples devido a rapidez com que as coisas acontecem. O desfecho final me agradou tanto quanto o começo e o meio do livro. Não tem nada de espetacular ou muito complexo, porém é algo bem palpável e realista pra quem curte o gênero. Super recomendo pra quem está querendo começar a ler livros nesse estilo ;)

A edição que eu tenho em mãos possui orelhas e páginas amareladas. A tipologia é bem agradável aos olhos mesmo com baixa luminosidade e apesar de simples é bem bacana. Esse livro é o primeiro de uma série de quatro livros: Agência internacional de investigações, Missão jogos olímpicos, Suspeito Nº1 e Londres.

2 comentários:

  1. Oi, Carol!
    Ainda não li nada do Patterson. Senti muita vontade de ler a série quando soube dela há um tempinho atrás. Li tb críticas, mas fiquei curiosa por ler Private. Quem sabe o final que muitos apontam como superficial, normalzinho é por conta de ser uma série... Ou os livros não têm ligação? Torcendo aqui para lê-lo em breve! Como sempre, qualidade sempre!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Adorei sua resenha Ana! Simples e objetiva. Expondo os pontos altos e baixos da leitura. Adoro suspenses policiais e acho que este parece bem interessante. Ainda não li nenhuma obra deste autor(es) por isso foi muito bem-vinda a sugestão. Bjos.

    ResponderExcluir