quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Resenha #15 - A Rebelde do Deserto

Título: A Rebelde do Deserto
Autora: Alwyn Hamilton
Editora: Seguinte
Gênero: Romance | Distopia
Número de páginas: 288
Ano: 2016
Avaliação:
Sinopse: O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. 
Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. 
Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

A Rebelde do Deserto conta a história de Amani, uma garota que vive no Deserto de Miraji, mais precisamente na Vila da Poeira e sonha em ir para a capital viver uma vida completamente diferente da atual, onde ela está prestes a ser entregue em casamento para qualquer homem que a solicite como esposa.

O livro todo é narrado pela própria Amani durante sua jornada pra chegar ao local de desejo dela e de sua falecida mãe, mas durante esse percurso muita coisa vai acontecer e a cada dia seu destino ficará mais longe de ser alcançado, e no final ela talvez acabe descobrindo que o mundo é muito maior do que ela pensava e seu lugar nele esteja mais perto do que ela imaginava.

Apesar do livro ser um romance em potencial, a política está completamente enraizada nele e a rebelião que está se formando acaba tendo o maior foco. Amani está no meio disso tudo e será de grande valia para os rebeldes e seu propósito de destruir aqueles que estão governando o deserto de forma tirânica. 

Durante a trama até rola um clima de romance entre a protagonista e Jin, um rapaz que ela encontra durante um torneio de tiro e acaba se tornando seu colega de fuga, mas esse romance não é muito explorado, dando assim mais espaço para os conflitos políticos e a fuga de Amani. A magia também se faz presente desde o início porém é mais explorada no final quando novos personagens são inseridos e segredos são revelados.

Amani é uma garota incrível e portanto uma protagonista maravilhosa! É praticamente impossível não sentir uma afinidade instantânea com a personagem. Ela é forte, destemida, e vai até o fim por seus ideais, além de ser uma excelente amiga. Ela quebra todos os estereótipos destinados a nós mulheres ao se tornar uma das melhores atiradoras de todo o deserto (senão a melhor, da sua vila ela com certeza é). 

A leitura como um todo foi muito boa e me agradou bastante do começo ao fim, a escrita da Alwyn é bem fluída e a história bem gostosa de acompanhar. A diagramação também ajuda bastante, o espaçamento e a fonte do miolo são excelentes para a leitura, assim como as páginas amareladas. A capa está maravilhosa com seus detalhes em dourado e o deserto ao fundo, o que ilustra bem a história do livro.

O final é perfeito para uma série de livros pois te deixa com gostinho de quero mais, te deixa ansiando pelo próximo volume. Vale muito a pena a leitura!

Essa leitura faz parte da maratona #TBREMCACOS

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Maratona TBR Em Cacos

Oie galera, tudo bom?

O post de hoje é sobre a Maratona #TBRemCacos . Ela consiste basicamente em ler 4 livros com temas distintos entre os dias 24/09 e 02/10, ou seja, uma semana inteira de leituras!

Como já faz um bom tempo desde a minha última participação em maratonas literárias eu decidi que era hora de retomar esse meu velho hábito que tanto me auxilia a adiantar leituras e até mesmo ler livros que estão mofando na estante há algum tempo. Agradeço desde já ao Paulo Ratz do canal Livraria em casa que é o responsável pela criação da maratona pelo incentivo.

Mas bora saber os temas e quais serão meus livros escolhidos?

1 - Ler o livro mais recente da sua estante...
2 - Ler um livro que você não sabe a sinopse...
3 - Ler um livro que quase ninguém fale sobre...
4 - Ler um livro que já deveria ter lido, mas está enrolando...

Resultado de imagem para a rebelde do deserto Resultado de imagem para o vampiro armand Resultado de imagem para ordem hugh howey Resultado de imagem para o torreão

Os livros que eu vou ler são esses aí de cima e eles estão na ordem dos temas citados anteriormente. Da esquerda pra direita a gente começa com A Rebelde do deserto que é o livro mais novo da minha estante, depois vem O vampiro Armand que é o livro do qual eu não sei a sinopse, em terceiro é Ordem, sequência da série Silo da qual eu não me lembro de ter visto resenha. Por último porém não menos importante vem O torreão, que eu cheguei a iniciar há algum tempo mas não passei das dez primeiras páginas.

Espero poder concluir essa maratona com êxito, mas como são mais de 1.400 páginas eu não posso garantir que consiga. Mas se no fim eu conseguir ler pelo menos metade disso já ficarei contente :)

E vocês, o que acham de participar também? Dá uma passadinha lá no canal onde vocês podem conferir todas as informações e ver como participar dos sorteios que vão rolar. Já adianto que são 5 chaces de ganhar um dos lançamentos da Editora Plataforma21 ;)

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Resenha #14 - Eu, Kadu

Título: Eu, Kadu
Autor: F. J. Siqueira
Editora: Clube de autores
Gênero: YA | Romance | LGBT
Número de páginas: 115
Ano: 2016
Avaliação:
Na adolescência tudo parece o fim do mundo, mas é apenas o começo.Na atualidade, onde está em voga “ser gay”, surge na contramão a visão de Kadu, um adolescente de 17 anos que acredita ter sua orientação sexual guardada a sete chaves, julgando mantê-la sob total controle, porém o surgimento de uma paixão inesperada e avassaladora pelo melhor amigo, Matheus, um "carinha" extrovertido, sem papas na língua, enturmado e HÉTERO, levará Kadu a questionar suas próprias convicções, afinal ele já havia traçado um plano infalível para a sua vida: ser um homossexual enrustido, vivendo de falsas aparências a fim de não ter de enfrentar o preconceito e a intolerância do mundo em que vive...
Como se não bastasse a enxurrada de emoções e dúvidas que Kadu precisa enfrentar, sua irmã mais velha, Maria Clara, é abandonada pelo noivo dia antes do casamento; Brenda, a ex de Matheus, resolve elegê-lo como seu cúmplice para ajudá-la a reconquistar o namorado perdido, e Yuri, um rapaz que conheceu na internet, quer tentar algo além do sexo casual; sem contar que ainda precisa lidar com os descontroles emocionais de sua outra irmã e com a autoridade e prepotência da mãe, cujo um segredo bombástico ele acaba descobrindo por acidente.
Em um único dia, Kadu vai aprender que segredos e mentiras caem como castelos de areia quando menos se espera e que nem sempre a visão que temos de nós mesmos é aquela do mundo que transita ao nosso redor, e com isso, sem perceber, estará vivenciando os últimos instantes de delicadeza e ingenuidade de sua adolescência.

A resenha de hoje é do livro Eu,Kadu do nosso autor parceiro Francisco José Siqueira. Esse livro aborda um tema super atual e um tanto polêmico que é a homossexualidade e o autor nos mostra de forma bastante autêntica na vivência do seu protagonista de personalidade forte e decidida como é ser um adolescente gay super bem resolvido mas que ao mesmo tempo vive dentro de um armário.

Kadu é um garoto de 17 anos que sabe muito bem o que quer e o que não quer da vida. Ele é fruto de uma família super tradicional do Rio de Janeiro e vive com sua mãe Marcela, seu pai Carlos e suas duas irmãs mais velhas, Maria Clara e Filipa em um apartamento de luxo. Ele é um gay assumido, mas apenas pra si mesmo. Ele se aceita e sabe que não há nada de errado em ser apaixonado por seu melhor amigo Thiago. Mas ao mesmo tempo sabe que não seria aceito por seus pais ao revelar sua orientação sexual e não seria mais visto com bons olhos pelos seus colegas de escola.

O livro narra um dia na vida de Kadu, mas não um dia comum como outro qualquer, e sim um daqueles dias em que tudo parece dar errado. Sabe aquele dia em que o mundo parece desmoronar e tudo de ruim pode e vai acontecer? A família de Kadu alcança o ápice da loucura e o segredo de Kadu está em risco. Seria ele capaz de se declarar para seu melhor amigo e se assumir para seus pais?

Além desses questionamentos, o livro também nos insere no cotidiano da família de Kadu e conhecemos um pouco de cada integrante dela. 

Maria Clara foi minha personagem favorita depois de Kadu. Ela é uma mulher já com seus 30 anos de idade, que apesar de se calar diante das atitudes exageradas da mãe é uma mulher  muito forte e com um grande potencial a ser descoberto. Filipa é justamente o contrário dos dois irmãos em termos de carisma, ela é a cópia fiel de sua mãe Marcela e é tão repulsiva quanto. Eu amei detestar essas duas últimas personagens tanto quanto amei acompanhar a trajetória de Kadu e o pouco que foi mostrado de Maria Clara.

A narrativa em primeira pessoa é descritiva na medida certa, fazendo com que o leitor se apegue a história e deseje conhecer cada vez mais sobre aquilo que está sendo mostrado. Os questionamentos e as reflexões feitas durante a narrativa de Kadu são bem plausíveis e feitas de forma natural, sem forçar a barra e sem querer dar lição de moral, mas ao mesmo tempo levando uma mensagem super importante do que é respeitar o espaço do outro.

A leitura flui muito facilmente mesmo com poucos e curtos diálogos que por sua vez são super inteligentes e esclarecedores, e o linguajar mais popular utilizado é perfeito para fazer com que o as páginas se virem quase que sozinhas.  As reviravoltas que ocorrem durante a trama criam expectativa no leitor e fazem com que ele não queira parar de ler enquanto não termina o livro.

Foi uma leitura muito agradável e rápida, eu adorei conhecer o Kadu e sua família. Foi muito bom ler um livro que mostra a homossexualidade como ela é: Simples! Foi legal demais acompanhar a vivência de um garoto que não se enquadra nos estereótipos criados pela sociedade e é super bem resolvido com sua sexualidade apesar de viver os tão conhecidos dramas da adolescência. 

Agradeço muito ao Francisco pela oportunidade de conhecer o Kadu e me deixar curiosa pra saber o que ainda acontecerá na vida desse garoto tão especial. E pra vocês leitores eu só deixo a dica: Conheçam o Kadu! Vocês vão se apaixonar por ele!
"Os dias se passavam e eu me via cada vez mais assolado, enredado em um conflito absurdo e desafiador, daí fiz o que qualquer outro teria feito no meu lugar: busquei me afastar, inventei as mais estapafúrdias desculpas e justificativas, coloquei nossa amizade em risco só para ter a certeza de que tudo o que eu sentia não passava de fogo de palha, mas todos os meus esforços foram em vão e então desisti de resistir, rendendo-me diante da conclusão de que não escolhemos o amor e sim ele que nos escolhe."

Adquira seu exemplar: Amazon 

Conheça mais do autor no post de apresentação do livro aqui no blog clicando "Aqui" 

domingo, 18 de setembro de 2016

Resenha #13 - Feita de fumaça e osso

Feita de Fumaça e OssoTítulo: Feita de fumaça e osso
Autora: Laini Taylor
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance | Ficção fantástica
Número de páginas: 384
Ano: 2012
Avaliação:
Um romance de tirar o fôlego, sobre destino, esperança e a busca de si mesmo" The New York Times.
Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu. Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo. O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.

A resenha de hoje é sobre um dos meus livros favoritos do gênero Ficção fantástica. Um romance encantador construído em cima de um pano de fundo mítico e cheio de mistérios. Uma trama repleta de personagens incríveis que irão te conquistar  do começo ao fim!

Karou é uma jovem bem excêntrica , com seu cabelo azul e todas as suas tatuagens não consegue passar despercebida aonde quer que esteja, e acaba chamando a atenção de Akiva que sente uma forte atração por ela no mesmo instante em que a vê. 

Mas apesar desse pequeno fato, essa não é uma daquelas histórias clichês sobre amor a primeira vista, muito pelo contrário, é uma ligação imediata, porém muito forte que vai além da paixão. O único problema é que ele é um Serafim e deveria manter distância de alguém como ela. Mas ele sabe que algo os une  e que essa ligação não poderá ser ignorada tão facilmente .
"...Enquanto observava Karou se levantar, radiante com sua cascata de cabelo lápis-lazúli, um vestido cor de tangerina , um colar de contas prateadas no pescoço e um olhar de alegria e alívio e ... amor ...em seu lindo rosto , Akiva sabia que ela era seu Aleph , sua verdade e seu começo. Sua alma ."
Desde que nasceu  Karou tem os quimeras: Brimstone, Yasri, Twyga, Issa e kishmish como seus parentes mais próximos. Eles são  seres nada convencionais, assim como quase tudo nessa trama. Cada um deles é de uma espécie diferente, e cada um tem suas características um tanto peculiares... enquanto que um é parte homem parte leão, outra pode ser metade cobra metade mulher.. e por aí vai uma infinidade de misturas bizarras e super autênticas. 

E apesar da aparente bizarrice eles formam uma família muito unida, e o amor entre eles é incondicional. Brimstone é o grande chefe dessa família, é como se fosse um pai pra Karou e apesar de ser bem turrão às vezes, é uma boa pessoa.

Ela por sua vez nunca entendeu o motivo de Brimstone a mandar para os lugares mais remotos da terra em busca de dentes, ela sempre se perguntou o por quê de ele ter tantos deles e sempre querer mais, e afinal, quais seriam suas finalidades? Mas muito em breve ela descobrirá! E descobrirá também que uma guerra entre Quimeras e Serafins está por vir e qualquer um que estiver no meio terá de lutar pela própria vida e pela de seus entes queridos.
" - A guerra é tudo o que nos ensinaram , mas há outras maneiras de se viver . Podemos descobri-las Akiva . Podemos inventá-las. Isto aqui é o começo .. Nós somos o começo ."
A história criada pela Laini é bem surreal, mas ao iniciar a leitura o leitor entra de cabeça na história de modo a conseguir enxergar verdade nela. A escrita da Laini é bem leve e flui facilmente tornando a leitura super agradável, ela intercala habilmente momentos de ação e adrenalina com momentos mais românticos.

A trama no geral é muito bem desenvolvida, tanto na temática principal que é a guerra iminente, quanto no romance vivido por Karou e Akiva. Os personagens são um caso à parte... Houveram aqueles que eu amei, e aqueles que eu amei odiar... Mas o ponto é que todos foram muito bem construídos e conseguiram me conquistar de alguma forma.

A diagramação do livro está impecável! As páginas são amareladas e a fonte é de um tamanho bem agradável para a leitura. As divisórias para as quatro partes do livro são simples mas muito bonitas, e a capa envernizada é bacana. 

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Resenha #12 - Desastre

DesastreTítulo: Desastre
Autor: S. G. Browne
Editora: LeYa
Gênero: Romance
Número de páginas: 272
Ano: 2010
Avaliação:
Regra Nº1: Não se envolva com humanos.
Num mundo onde os sentimentos, caminhos e valores dos seres humanos são comandados por entidades superiores, o destino pode ser traiçoeiro.
Conheça Fado, um imortal que designa sinas aos homens, mora num apartamento de luxo em Nova York e veste uma atraente roupa humana. Solidário com seus clientes e apaixonado por uma vizinha, passa a burlar suas tarefas, alterar destinos e bagunçar as coisas no reino dos Céus. Com um texto leve, hilário e muito atual, Desastre vai fazer você repensar suas escolhas, acreditar no poder do amor, e descobrir que até a Morte não é assim tão má pessoa. 

Desastre é um livro bem atípico, e trás em seu contexto personagens singulares e cheios de personalidade. É uma espécie de fábula onde cada designação humana é representada por uma entidade específica. São vários os personagens citados durante a leitura, mas os principais são Fado, Destino, Carma, Gula e Morte...

Fábio (Fado) é responsável pela designação da vida de 70% da população humana . Em outras palavras, ele costuma ser responsável por seus fracassos e derrotas, mas não gosta disso e não acha nada bacana ter de representar tal sentimento, pois as pessoas tem no geral bons futuros, o problema é que elas sempre acabam se distraindo desse caminho e muitas terminam no fracasso total. E é por tentar mudar isso que Fábio entrará em uma grande encrenca com Jerry, a entidade suprema.

Ao tentar mudar o futuro das pessoas que estão na sua lista de fracassos, ele acaba as encaminhando para o caminho de Destino, só que essa ruiva atraente e misteriosa que adora chamar a tenção não irá gostar muito dessa brincadeirinha e fará o possível para estragar os planos de Fado...

Porém o maior problema no plano de Fado é que a exposição aos humanos é extremamente proibida, e ele anda burlando essa regra pra estar ao lado de Sara, sua atraente vizinha . Mas como tudo que é bom dura pouco, o romance deles acaba sendo descoberto por Destino e denunciado pela mesma as autoridades celestiais. O que acontecerá com Fado agora que foi exposto? Qual será então o seu próprio "destino"?

Esse livro é recheado de sarcasmos e ironias e eu o amei por isso, é simplesmente hilário. Os personagens são super divertidos e por isso te cativam facilzinho. Ele mostra que ninguém é perfeito e todos estão propensos a erros e Fado é o maior exemplo disso, o que o torna tão verdadeiro e especial. O relacionamento dele com a Sara é bem fofo e convence o leitor.

Essa foi uma leitura bem rápida pois tanto o estilo de narrativa quanto os acontecimentos da trama a tornam fluída e facilitam a leitura. A história em si é bem autêntica apesar do romance clichê e os personagens são o principal atrativo da obra.

Desastre é um livro para se distrair e ser levado na esportiva . É uma trama leve e divertida, rápida pra se ler e curtir em um dia monótono. A diagramação é das mais simples, porém a falta de erros de ortografia que é algo essencial para uma boa leitura conseguiu compensar :)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Resenha #11 - Hibisco Roxo

Resultado de imagem para hibisco roxoTítulo: Hibisco Roxo
Autor: Chimamanda Ngozi Adichie
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Romance
Número de páginas: 328
Ano: 2011
Avaliação:
Protagonista e narradora de Hibisco roxo, a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente “branca” e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país.
Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente.

Hibisco roxo é um romance escrito pela autora Chimamanda Ngozi Adichie, ele foi publicado aqui no Brasil pela editora Companhia das Letras e nele nós acompanhamos a vida de uma jovem nigeriana nascida em berço de ouro que não vive exatamente a realidade que projetamos pra tais famílias. 

Kambili é uma jovem de poucas palavras que não expressa muito seus sentimentos e vive dentro de sua própria bolha enquanto que ao lado dos pais, e ao longo da narrativa de sua história o motivo desse silêncio, assim como o de seu irmão Jaja, é mostrado ao leitor de forma muito sutil.

Ela e seu irmão vivem cercados por regras e rotinas aplicadas severamente pelo seu pai, que os castiga de forma brutal por meros "delitos" e infrações que possam cometer em relação a essa forma de educação que lhes é imposta. É nesse cenário que a intolerância religiosa se mostra presente como forma de respaldo para as ações desse pai inescrupuloso.

A mãe de Kambili, por sua vez, é outra vítima nessa história. Ela se vê muita das vezes de mãos atadas em relação ao tratamento que os filhos recebem por parte do pai, por ser ela também sofredora dos mesmos atos covardes vindos do próprio marido. Ela pensa que tudo que pode fazer é acalentar os filhos e convencer a si mesma de que aquela situação é normal e totalmente comum, não devendo assim interferir nos atos de seu marido.

Ifeoma a irmã de Papa é uma pessoa bem diferente dele. Ela é uma professora universitária que tenta ensinar à suas alunas o valor da independência financeira servindo ela própria de exemplo, pois sendo ela viúva, cria seus três filhos sozinha e não se deixa abater pelas privações básicas do dia a dia. Ela é uma personagem muito forte e destemida que vai fazer toda a diferença na vida de Kambili e Jaja, é ela quem vai incentivar os sobrinhos a pensarem por si e agirem de forma mais natural.

Amaka uma de suas filhas, é minha personagem favorita por sua autenticidade, ela me ganhou principalmente por não ter papas na língua. Instruída pela mãe Ifeoma, ela sempre diz o que pensa e aproveita cada momento que tem para questionar sobre tudo e todos a sua volta, além de sempre manter um sorriso no rosto. No começo ela implica um pouco com Kambili e eu cheguei a acha-la um pouco arrogante por suas atitudes, mas em nenhum momento ela deixa de ser uma boa pessoa.

Um dos fatores predominantes para meu apego emocional em relação a esse livro foi a narrativa em primeira pessoa. Kambili é uma excelente narradora e como a escrita da autora é bem singela a leitura vai se tornando cada vez mais pessoal e íntima. O crescimento pessoal além da estruturação de cada um dos personagens é outro fator. Eles iniciam a trama com uma personalidade formada e totalmente distinta e vão se moldando conforme as situações vividas, não é como se eles mudassem da água para o vinho do dia pra noite, tem todo um processo por trás de cada mudança e isso torna a história bem convincente.

Através desse livro eu pude adentrar ainda mais em uma realidade ao qual eu conhecia apenas superficialmente, e foi algo que eu realmente apreciei. A escrita de Chimamanda é quase que poética e as questões por ela levantadas nesse livro não podem ser simplesmente ignoradas. Essa é sem dúvidas uma leitura obrigatória para aqueles leitores que buscam algo mais real e digno de debates na literatura.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Resultado do sorteio Aniversário da blogueira + Sorteio surpresa

Oi galera! Hoje é dia de anunciar a ganhadora da promoção *-*

Mas antes eu gostaria de deixar um pedido pra todos vocês que gostam de participar dos sorteios aqui do blog e em outros blogs também: Não preencham uma entrada sem fazer o que foi pedido.

É muito chato sortear uma pessoa e ao conferir as entradas dela descobrir que a mesma não cumpriu com o que foi pedido. Além da perda de tempo em procurar por ela nas redes sociais, rola também um sentimento de pena, porque a pessoa poderia ter levado o prêmio e por um descuido (eu não gosto de pensar que seja má fé) acabou perdendo.

Então mais atenção nas próximas participações tá! Não perca de levar o prêmio pra casa depois de já ter sido sorteado. Isso aconteceu hoje com a primeira sorteada da promoção :/

E a sortuda que se valeu disso e vai levar o prêmio pra casa é.....


 Sueli Cobbos !!! 

Parabéns! O contato com a ganhadora já foi feito e eu já estou com os dados para envio em mãos. Lembrando que o blog tem 30 dias para envio do prêmio.

----------------------------------------------

E pra quem participou e não foi sorteado, não desanima não porque já tem outro sorteio rolando :)

Dessa vez é apenas para os membros do grupo Loucas e Loucos por livros e a única regra obrigatória é curtir a Fanpage do blog, mas tem muita chance extra pra aumentar as chances de ganhar. Vem ver!

Basta clicar na imagem pra ser redirecionado :) Depois de ser aceito no grupo, pesquise por: A verdadeira Bela. O sorteio vai até o dia 30/09.



sábado, 10 de setembro de 2016

Resenha #10 - Arena Um

Resultado de imagem para arena um morgan riceTítulo: Arena Um
Autor: Morgan Rice
Editora: Amazon
Gênero: Distopia
Número de páginas: 266
Avaliação:
Nova Iorque. 2120. Os americanos foram dizimados, eliminados pela Guerra Civil. Neste mundo pós-apocalíptico, sobreviventes são poucos e raros. E a maioria daqueles se sobreviveram viraram membros de gangues violentas, predadores que vivem nas grandes cidades. Eles patrulham o campo em busca de escravos, novas vítimas para levarem às cidades para seu esporte favorito: Arena Um. O estádio da morte, onde os oponentes devem lutar até morrerem, das maneiras mais bárbaras possíveis. Há apenas uma regra nesse jogo: ninguém sobrevive. Nunca.
Em meio à natureza, no alto das Montanhas Catskill, Brooke, de 17 anos, luta para sobreviver, escondendo-se com sua irmã mais nova, Bree. Elas tomam cuidado para evitar as gangues de comerciantes de escravos que patrulham o interior. Mas, um dia, Brooke comete um descuido e Bree acaba sendo capturada. Os comerciantes de escravos a levam embora, em direção à cidade, e em direção ao que com certeza resultará em morte.
Brooke, filha de um fuzileiro da Marinha, foi criada para ser forte, para nunca desistir em uma luta. Quando sua irmã é raptada, Brooke não perde tempo, vai atrás dela, usa tudo ao seu dispor para perseguir os comerciantes de escravos e pegar sua irmã de volta. E, durante o caminho, ela conhece Ben, 17, outro sobrevivente como ela, cujo irmão também foi sequestrado. Juntos, eles se aventuram em uma missão de resgate.
O que se segue é um thriller pós-apocalíptico, cheio de ação, no qual os dois perseguem comerciantes de escravos na viagem mais perigosa de suas vidas, em direção ao coração de Nova Iorque. E, ao longo do caminho, se eles sobreviverem, terão que fazer as escolhas mais difíceis e os maiores sacrifícios de suas vidas, encarando obstáculos que eles jamais teriam imaginado – incluindo os sentimentos inesperados de um pelo outro. Eles conseguirão salvar seus irmãos? Conseguiram voltar? E, terão eles mesmos que lutar na arena?

Brooke é uma jovem de 17 anos que vive juntamente com sua irmã mais nova Bree no alto de uma montanha. O cenário dessa trama é uma América do Norte totalmente destruída pela guerra, é inverno e a nossa protagonista precisa ir em busca de alimento e um abrigo seguro.

As desventuras de nossa heroína tem início após sua irmã ser raptada pelos comerciantes de escravos durante uma de suas idas ao topo da montanha em busca de suprimentos. Como Brooke é tudo que restou para a menina de sua antiga vida é evidente que a irmã mais velha se sente responsável pela caçula e fará de tudo para reve-la, mesmo que o trajeto possa mata-la antes mesmo de chegar perto da irmã.

São pouco os personagens que aparecem durante esse percurso e um deles é Ben, que tem o mesmo objetivo de Brooke, encontrar seu irmão caçula que foi levado pelos mesmos comerciantes. E Logan, um garoto que mora na capital e chega pra ajudar Brooke  na busca por sua irmã dentro da Arena.

O destaque desse livro é o alto teor de ação que faz com que o leitor deseje devorar as páginas freneticamente. Brooke está sempre em apuros e a maneira como ela reage a tudo que acontece a sua volta é bem plausível apesar do leve teor  surreal que suas resoluções demonstram, pois a mesma parece ser feita de ferro em algumas circunstâncias apesar de ser uma humana de carne e osso totalmente comum.

Justamente por isso ela é a personagem feminina perfeita para quebrar paradigmas e pré conceitos criados em torno da feminilidade e fragilidade das mulheres. Ela é uma garota responsável, confiante, audaciosa  e auto suficiente para com sua própria proteção e a de sua irmã. Os outros personagens do livro servem apenas de respaldo para sua protagonização apesar de serem muito bons em seus próprios papéis.

Como vocês podem perceber ao ler as primeiras linhas dessa resenha, há um certo clima de triângulo amoroso no ar, e apesar de em alguns momentos eu desejar um aprofundamento maior nesse romance, agradeci mentalmente ao autor por não tê-lo feito, pois tiraria totalmente o foco da parte principal abordada que é a revolução, pois esse é um livro distópico que fala da escravização de pessoas pelo bel prazer dos governantes.

Esse livro mostra uma realidade pós guerra, um mundo totalmente destruído e em ruínas onde uma espécie de hierarquia se estabeleceu. No topo da cadeia alimentar estão os governadores, aqueles que chefiam tudo à mão de ferro e se deliciam com a desgraça alheia. Logo depois vem os comerciantes de escravos que são obrigados pelo governo a sequestrar sobreviventes para alimentar a arena e entreter o povo deformado. E logo depois vem os refugiados como Brooke que buscam apenas viver longe de tudo isso e se escondem a todo custo.

É uma trama envolvente e muito bem escrita que leva o leitor a se aproximar dos personagens, principalmente da protagonista Brooke que é quem narra toda a história. O desenrolar da trama é frenético e energizante e te prende do início ao fim! Te garanto, quando começar você não vai mais querer parar...

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Lendo HQ's - The Walking Dead

Criador: Robert Kirkman | Arte finalização: Charlie Adlard | Capa: Tony Moore | Tons de cinza: Cliff Rathburn | Tradução: Von Dews | Letras: Putah Clubber Mor


Na série de quadrinhos criada por Robert Kirkman nós acompanhamos um grupo de sobreviventes em um mundo pós-apocalíptico. Liderados por Rick Grimes, um ex policial que busca encontrar sua família, eles enfrentarão hordas de zumbis e outros grupos de sobreviventes não tão amigáveis... Ao longo desta jornada em busca de abrigo e suprimentos, novos membros vão se juntar ao grupo enquanto outros serão mortos de forma brutal...

Nessa história não há mocinhos e ninguém está totalmente a salvo, todos fazem o que é necessário pra sobreviver e a linha que define o certo do errado é bem tênue. Com personagens bem distintos e de personalidade duvidosa, a série vem ganhando milhares de fãs ao longo dos anos. The Walking Dead é um sucesso mundial e conta com uma série de TV e uma série de livros complementares além das HQ's.   


Já faz um tempo desde a primeira vez que ouvi falar dessas HQ's, porém ainda não tinha tido tempo e disposição pra iniciar a leitura por já conhecer a história através do seriado de TV, do qual aliás, eu sou muito fã! (A sexta temporada está simplesmente incrível!)

Mas voltando a falar das HQ's... Eu sempre li em Fanpages, fóruns e sites relacionados a trama que havia muitas divergências entre um e outro, e ao ler as HQ's eu pude comprovar isso. E notei que as divergências não se restringem apenas aos personagens mas sim a alguns acontecimentos também...


Eu não quero dar spoilers nem de um e nem de outro, porque sei que ainda tem muita gente que não acompanha a história, mas pra quem já leu as HQ's ou viu o seriado as diferenças ficarão bem óbvias ao fazer uma comparação entre eles.

Há vários personagens que aparecem no seriado e simplesmente não existem nas HQ's, enquanto que alguns que são protagonistas nas HQ's não foram sequer mencionados no seriado. A maior falta que eu senti na HQ foi a do Daryl, eu já sabia que ele não apareceria então não foi uma surpresa, mas por gostar tanto dele no seriado como braço direito do Rick, foi impossível não pensar no personagem e imagina-lo ali.  


Até agora eu li as 20 primeiras edições, são mais de 150 se eu não engano. Parei na chegada da Michonne à prisão e já estou ansiosa pelos próximos acontecimentos, pois em breve a história tomará um rumo diferente.

Então se você acompanha o seriado e quer conhecer mais da história eu recomendo que você aproveite esse tempinho antes do início da próxima temporada pra ler as HQ's e matar a saudade dos personagens. Até porque, apesar das diferenças gritantes, as duas histórias andam meio que em paralelo uma com a outra.


Eu vou falar bem pouco da edição em si porque estou lendo online (aqui ó) e não tenho nenhuma HQ em mãos pra ver como ela ficou impressa, mas o principal que é o traçado do desenho está impecável!

Os desenhos são feitos num estilo mais realista e em preto e branco, o que deixa a trama mais leve para o leitor pois de certa forma mascara todo o horror de ver vísceras expostas. São bem poucos os erros de ortografia encontrados e eles não fazem muita diferença... A arte de capa também é bem bacana e é a única parte colorida da HQ. Na minha opinião tá tudo lindo, tá tudo muito bom kkkk 

Mas me fala aí, você já conhece a trama de The Waking Dead? Por qual meio, o seriado ou a HQ? Me conta aí *-*